14/07/2016 13h51

Lançada Frente Nacional contra o ′Escola Sem Partido′


O Sinpro-SP participou do lançamento da Frente Nacional contra o Projeto Escola Sem Partido, dia 13/07, no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. O evento contou com a participação de partidos políticos, centrais e outras entidades sindicais (inclusive, Fepesp e Contee) e organizações estudantis e de movimentos sociais.

Foram convidados a falar Gaudêncio Frigotto, professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e Roberto Leher, atual reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ambos fizeram duras críticas ao movimento Escola Sem Partido.

Para Frigotto, a proposta é mais perversa pelo que esconde e não pelo que mostra. Uma eventual aprovação do PL 867/2015, do deputado Izalci (PSDB/DF) ou dos demais projetos de lei que tramitam em âmbito estadual e municipal dará poder a quem não dá aula e acentuará o processo de esvaziamento do papel do professor. “Há um sequestro paulatino da função docente”, completa o professor, citando a contratação, pelo poder público, de institutos privados que pautam o conteúdo e o método que deve ser aplicados. Ele referia-se às escolas públicas, mas suas críticas podem também se aplicar a muitas escolas privadas que optaram pela compra de apostilas.

O reitor da UFRJ, Ronaldo Leher, lembrou de um outro projeto de lei, tão ou mais grave: o PL 1.411, do deputado Rogério Marinho (PSDB/RJ), que tipifica como crime o “assédio ideológico” e prevê pena de prisão aos professores. , além os “sistemas de ensino”.

Para Leher, quando o movimento Escola Sem Partido foi criado, em 2004, era tão patético que chegava a ser motivo de riso, mas agora a situação é outra. Nos tempos atuais, as propostas que perseguem professores têm mais efetividade. Ele citou a proliferação de projetos de lei nos Estados e municípios e a receptividade dessas propostas no seio do atual governo. Referindo-se à nomeação de Adolfo Saschida como assessor especial do ministro da Educação, Mendonça Filho (o economista foi exonerado depois de revelados posts em que defendia o movimento Escola Sem Partido e acusava professores).

Leher classificou o ESP de obscurantista e defendeu uma luta incansável contra os projetos de lei. “O alarme de incêndio já soou”, concluiu citando o pensador alemão Walter Benjamin.

Projetos de lei

A palavra de ordem mais ouvida durante a cerimônia foi pelo arquivamento do Projeto de Lei 867/2015, do deputado federal Izalci Ferreira (PSDB/DF). Desde maio, entretanto, tramita no Senado Federal um outro projeto, o PLS193/2016, do Senador Magno Malta (PR/ES).

Os dois projetos têm o mesmo teor – vedam a “doutrinação política” e obrigam a afixação de cartazes nas salas, onde se lêem os “deveres do professor”. Entre eles, o de não “cooptar” nem “prejudicar” seus alunos por questões de natureza ideológica.

O projeto de lei de Magno Malta, que é pastor evangélico, “a aplicação dos postulados da teoria ou ideologia de gênero”. A proposta atinge não apenas a sala de aula da educação básica, mas também os livros didáticos, os exames de ingresso ao ensino superior e para a carreira docente, bem como os cursos em universidades, institutos isolados ou centros universitários.

Notícias do Sinpro-SP sobre o Escola Sem Partido:

Em menos de 24h, MEC nomeia e exonera apoiador do ‘Escola Sem Partido’

O empurra-empurra do ′Escola Sem Partido′

Manifesto: ‘Em defesa da liberdade de expressão na sala de aula’

Cresce movimento contra o ‘Escola Sem Partido’

Leandro Karnal vira sensação na internet

Contee move ação no Supremo contra a lei que censura a atividade docente

Grupo visita MEC para defender o Escola Sem Partido

Documentário sobre a Lei da Mordaça em Alagoas (2016)

Escolas Sem Partido: quadro dos projetos de lei em tramitação

Projetos de lei que censuram e punem professores inundam o país

Onda conservadora

Post contra assédio ideológico tem mais de 4.600 compartilhamentos

Audiência pública sobre projeto que prevê cadeia para os professores

Uma bela aula sobre gênero e currículo escolar

Deputado quer pena de prisão para os professores

O cartaz e a mordaça

Nota pública: Contee manifesta repúdio ao PL 867/15, o PL da Mordaça

todas as notícias
|11.12.18 - SinproSP convoca professores da Campos Sales para assembleia
|11.12.18 - Sindicato patronal só negocia em janeiro
|11.12.18 - Mudança de carga horária, disciplina ou turno para 2019? Atenção!
|11.12.18 - Quatro anos de luta e Escola Sem Partido é arquivada na Câmara dos Deputados
|07.12.18 - CNE desmonta disciplinas e aprova base curricular do ensino médio

Ranking de salários
Logo Twitter Logo SoundCloud Logo YouTube Logo Facebook
Plano de saúde para professores
Cadastre-se e fique por dentro de tudo o que acontece no SINPRO-SP.
 
Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Websindical - Sistema de recolhimentos
Baixe o APP na Google Play Baixe o APP na Apple Store