17/04/2019 20h43

Votação da reforma da Previdência é adiada para o dia 23


Não deu certo a pretensão do governo de votar a reforma da Previdência antes do feriado. A sessão desta quarta-feira (17) foi suspensa e a votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) acabou transferida para a próxima terça, dia 23 de abril.

O chamado “Centrão”, grupo de parlamentares conservadores mais ligados ao deputado Rodrigo Maia, mais uma vez pressionou e mostrou força. Na segunda-feira, conseguiu inverter a pauta da CCJ e transferir o início da discussão da PEC 6/2019 para terça-feira, 16.

Agora, está exigindo mudanças no parecer do relator, deputado delegado Marcelo Freitas (PSL/MG). Mas que ninguém se anime: as mudanças pretendidas pelo Centrão não suprimem o caráter mais perverso do texto: a retirada de direitos existentes na Constituição para que depois, uma lei complementar defina novas regras preparando a entrega das aposentadorias para sistema financeiro. Isso sem falar no aumento do tempo de serviço e de contribuição e na redução do valor dos benefícios.

A sessão de quarta-feira, 17, chegou a ser aberta, mas acabou encerrada pouco antes das 13h. A oposição, bem organizada,aproveitou a desarticulação da base governista e conseguiu inviabilizar os trabalhos valendo-se de restrições do próprio regimento. Entre eles, o fato de o relator da PEC 6/2019, deputado delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), ter assinado a lista de presença e se retirado da sessão.

Tramitação

Cabe à Constituição de Constituição e Justiça (CCJ) declarar se o texto fere ou não a Constituição Federal, podendo propor alterações e até mesmo decidir pelo arquivamento da proposta.

Com ou sem mudanças sugeridas no texto, se a CCJ admitir a constitucionalidade da PEC 6/2019, ela passa a ser discutida numa comissão criada especialmente para este fim. Aqui, o texto geral será votado e, se aprovado, deve receber modificações pontuais a partir das emendas apresentadas pelos deputados.

Só então a proposta seguirá para votação em plenário da Câmara, em dois turnos. São exigidos pelo menos 308 votos favoráveis (3/5 dos deputados). Depois, vai para o Senado, onde passará pela CCJ antes da votação no plenário, também em dois turnos. São necessários 49 votos favoráveis entre os 81 senadores.

Leia também:

Relator diz que reforma da Previdência é constitucional. Só que não...

todas as notícias
|13.09.19 - Demissões no ensino superior em debate na Câmara dos Deputados
|13.09.19 - Colabore com pesquisa sobre práticas socioambientais nas aulas de Geografia
|12.09.19 - Vem aí uma nova reforma trabalhista e sindical
|11.09.19 - Justiça manda Dória devolver apostilas confiscadas
|06.09.19 - Modelo de EaD no Brasil prioriza lucro e empresas de Educação

Atualize seus dados no SinproSP
Logo Twitter Logo SoundCloud Logo YouTube Logo Facebook
Plano de saúde para professores
Cadastre-se e fique por dentro de tudo o que acontece no SINPRO-SP.
 
Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Websindical - Sistema de recolhimentos
Baixe o APP na Google Play Baixe o APP na Apple Store