SinproSP

Campanha salarial: donos de escola propõem desmonte da convenção coletiva

Atualizada em 14/02/2014 10:34

Na primeira rodada de negociação, realizada em 11 de fevereiro, o sindicato das escolas de educação básica (SIEEESP) fez dura investida contra os direitos dos professores, propondo a redução, e em alguns casos até mesmo o fim, de conquistas históricas da categoria.

Entre as “propostas” apresentadas estão o reajuste salarial proporcional ao tempo de serviço, a PLR condicionada à assiduidade e ao tempo de contratação e a possibilidade de contratação por salários mais baixos.

Além disso, querem o fim das férias coletivas dos professores, o fim da cesta básica, a redução do recesso para 20 dias, o fim da licença em caso de morte ou casamento e o não pagamento do recesso na demissão no fim do ano.

Tais propostas foram rechaçadas pelo SINPRO-SP e mais sindicatos articulados em torno da campanha salarial unificada dos professores e auxiliares em todo o estado.

Mobilização já!

Diante da postura dos donos de escola, a mobilização da categoria será fundamental para que as reivindicações sejam tratadas com a seriedade que merecem. Contra a intransigência patronal, os professores precisam mostrar força na defesa de seus direitos.

Acompanhe as notícias do Sindicato, compartilhe com os colegas e participe das discussões.

A próxima rodada de negociação está marcada para o dia 18 de fevereiro.

Com informações da FEPESP