26/08/2016 13h48

Grupo do ′Escola Sem Partido′ impede audiência pública


Entoando palavras de ordem como ‘viva Alexandre Frota’, ‘viva Bolsonaro’ e ‘a direita acordou’, manifestantes a favor do ′Escola Sem Partido′ interromperam a audiência pública na noite de quinta-feira (25), na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). O evento foi promovido a pedido do deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL) para debater sobre o projeto.

Os manifestantes que defendem o ′Escola Sem Partido′ entraram de forma discreta com faixas, apitos, bandeiras e cartazes escondidos e se misturaram à plateia.

A audiência começou às 19h30 com o deputado anunciando os convidados que comporiam a mesa, inclusive o professor Luiz Antonio Barbagli, presidente do Sinpro-SP. Giannazi explicou que o debate seria aberto à plateia após a fala dos convidados.

Meia hora depois, um dos partidários do ′Escola Sem Partido′, levantou-se e deu o sinal: “Vai ser bagunça? Então, tá!”. Foi então que os demais manifestantes sacaram apitos, ergueram cartazes e se dirigiram em direção à mesa. A confusão começou e seguiu até perto das 22h.

“A direita acordou”

Cantarolando ‘Oooh! Direita acordou... Direita acordou...’, os manifestantes levantavam cartazes onde se liam “Bolsonaro Mito”, “Cadê o Nagib?”, (Miguel Nagib, advogado que idealizou o projeto Escola Sem Partido), “Olavo tem razão” (Olavo de Carvalho, cronista ultraconservador). Também havia cartazes pouco elogiosos à presidenta Dilma Rousseff e à União Nacional dos Estudantes.

O deputado Giannazi tentou diversas vezes pedir calma e avisou que o microfone estava aberto a todos os que quisessem debater o projeto. Depois, desceu em direção ao grupo mais exaltado em mais uma tentativa de acalmar os ânimos e dar continuidade ao evento. Sem sucesso, ele ainda foi vaiado pelos manifestantes.

As pessoas contrárias ao ′Escola Sem Partido′ reagiram. Improvisaram cartazes pedindo o debate, acusaram o grupo contrário de fascistas e reclamaram, em coro, uma "escola sem censura".

A Polícia Militar, que faz a segurança da Alesp, chegou e sugeriu retirar a força os apoiadores do ′Escola Sem Partido′ do local. O deputado não permitiu.

Repúdio

Giannazi prometeu uma nova audiência pública. “Eles [os manifestantes] pensam que venceram, mas saíram desmoralizados. Essas imagens vão circular na internet, nas redes sociais”, disse.

Perguntado sobre o comportamento dos manifestantes, o deputado respondeu: “É um grupo truculento a serviço de um movimento pequeno, mas que faz muito barulho. Eles estavam no armário, escondidos, e agora, num momento de conjuntura muito conservadora, têm espaço para se manifestar. Mas isso passa. Eles se comportaram de forma autoritária, antidemocrática, truculenta, ignorante”.

O presidente do Sinpro-SP, Luiz Antonio Barbagli, criticou a postura dos manifestantes. Para Luiz, "essas atitudes mostram que o ′Escola Sem Partido′ pode criar um fanatismo sem conteúdo". E completou: “A escola livre produz conhecimento e debate de qualidade, enquanto a Escola Sem Partido pretende idiotizar os alunos, fazê-los capazes de engolir qualquer coisa, vulneráveis a ideias totalitárias e violentas”.

todas as notícias
|23.08.19 - Processos contra Unisant’Anna e Oswaldo Cruz têm julgamentos marcados
|22.08.19 - Audiência pública na Assembleia Legislativa discute Ensino a Distância
|21.08.19 - Conheça a série Ciência Para Todos
|20.08.19 - Juízes para a Democracia voltam a alertar sobre a MP da Liberdade Econômica
|16.08.19 - A liberdade econômica acima dos direitos das pessoas

Atualize seus dados no SinproSP
Logo Twitter Logo SoundCloud Logo YouTube Logo Facebook
Plano de saúde para professores
Cadastre-se e fique por dentro de tudo o que acontece no SINPRO-SP.
 
Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Websindical - Sistema de recolhimentos
Baixe o APP na Google Play Baixe o APP na Apple Store