09/08/2018 15h06

Qual o lugar dos professores no noticiário da Educação?


Um levantamento elaborado pela Unesco e pela Andi – Comunicação e Direitos aponta que apenas 7,4% das reportagens sobre Educação têm os professores como fonte. Se forem consideradas as matérias em formato de entrevistas, o percentual cai para 3,8%.

O trabalho foi apresentado em 07/08 por Miriam Pragita, diretora executiva da Andi, durante o 2º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação, promovido pela Associação de Jornalistas de Educação. Os resultados completos da pesquisa devem ser divulgados em setembro.

Foram analisadas 3.972 matérias publicadas em 31 dias durante 2016 e 2017. Não entraram na amostra reportagens sobre o ensino superior.

A principal fonte dos jornalistas (52,4%), segundo o levantamento, foram os órgãos oficiais – MEC, INEP, polícia e poderes executivos estaduais e municipais.

O fato de os professores serem pouco procurados dá a pista que ajuda a explicar uma queixa frequente na nossa categoria: a forma como o trabalho docente é tratado em muitas reportagens, que pouco tem a ver com o que é realizado na sala de aula.

Ora os professores são responsabilizados por grande parte dos problemas da Educação (por exemplo, o aluno não estuda porque a aula não é atraente), ora são tratados como pobres coitados que não trabalham bem porque são mal formados, mal remunerados e sem condições mínimas para desenvolver a sua atividade.

O professor como fonte

Nem culpado, nem vítima. Os professores precisam ser vistos como profissionais que têm qualificação, dominam o seu trabalho e podem falar com propriedade.

A experiência no departamento de Imprensa do SinproSP de certa forma comprova aquilo que foi apresentado pela diretora-executiva da Andi. Em geral, os professores são procurados para ‘ilustrar’ uma matéria, como exemplo do que está sendo abordado na reportagem. Esse tipo de exposição faz com que muitos professores, justificadamente, resistam a falar com jornalistas.

Mesmo quando os professores são chamados a participar na condição de ‘personagens’, os assuntos acabam limitados a temas como violência na escola, desgaste mental etc. Basta verificar a cobertura sobre a reforma do ensino médio. Até o momento, ninguém ligou para o SinproSP procurando algum professor do ensino médio para comentar as mudanças na Lei 13.415 ou a proposta de Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

todas as notícias
|07.12.18 - CNE desmonta disciplinas e aprova base curricular do ensino médio
|05.12.18 - Recesso é um direito conquistado na Convenção Coletiva
|04.12.18 - Veja como foi a rodada de negociação com o Sesi/Senai no dia 04/12
|03.12.18 - Encontro no SinproSP discutiu Campanha Salarial e Escola Sem Partido
|30.11.18 - Nova tabela de mortalidade altera fator previdenciário e achata aposentadoria

Ranking de salários
Logo Twitter Logo SoundCloud Logo YouTube Logo Facebook
Plano de saúde para professores
Cadastre-se e fique por dentro de tudo o que acontece no SINPRO-SP.
 
Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Websindical - Sistema de recolhimentos
Baixe o APP na Google Play Baixe o APP na Apple Store