05/07/2019 15h54

Aposentadoria dos professores de educação básica (Comissão Especial)


Texto alterado em 11/07/2019, às 17h05

Mudanças aprovadas pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados, em 05/07/2019

Como o objetivo da reforma da Previdência é o ajuste fiscal, a mudança para as aposentadorias vem com um pacote completo: além de criar novas regras para a concessão do benefício, aumenta a contribuição previdenciária nos salários acima de R$ 2mil e reduz o valor das aposentadorias, pela mudança na fórmula do cálculo.

As mudanças nas aposentadorias dos professores de educação básica

A proposta de emenda constitucional acaba com a aposentadoria aos 25 ou 30 anos de magistério, sem limite de idade. Na redação proposta, o artigo 201 da Constituição passa a ter, como única possibilidade, a aposentadoria com idade mínima de 65 anos (homem) e 62 anos (mulheres), com redução em cinco anos para professores, ou seja, 57 anos e 60 anos, respectivamente. Até nova regulamentação por lei, são exigidos pelo menos 25 anos de magistério para a professora e 30 anos para o professor.


Regras permanentes na PEC 06 - tempo de contribuição exigido
Professora Professor
57 anos de idade 60 anos de idade

veja aqui as regras para professores de ensino superior e demais trabalhadores

Regras de transição

Para os professores que já lecionavam quando a Emenda for promulgada, a PEC 06 prevê três possibilidades de aposentadoria nas regras de transição. Embora com critérios diferentes, todas elas farão os professores trabalharem bem mais do que atualmente.

O maior problema é que, na regra de transição, as exigências aumentam a cada ano a partir de 2020. Assim, quando o trabalhador atinge os critérios para se aposentar, os requisitos já mudaram e ele terá que trabalhar ainda mais. Com isso, os períodos de transição são “acelerados”, de maneira a aproximá-los cada vez mais das regras permanentes.

Vamos tomar dois exemplos, uma professora e um professor de educação básica, que começaram a lecionar aos 20 anos de idade e contam com 15 de contribuição em 2019:

Regras de transição na PEC 06 - tempo de contribuição exigido
Professora Professor
”Fórmula 86/96” = 35,5 anos ”Fórmula 86/96” = 40 anos
Idade mínima 56 anos = 36 anos Idade minima 61 anos = 40 anos
Pedágio de 100% = 35 anos Pedágio de 100% = 45 anos

VEJA AQUI MAIS DETALHES SOBRE AS REGRAS DE TRANSIÇÃO


Mudança na fórmula de cálculo e redução do benefício

A PEC 06 fará os trabalhadores receberem menos do que contribuíram: a aposentadoria será de apenas 60% da média de contribuições mais 2% para cada ano de contribuição que exceder 20 anos.

Pelas regras atuais, quem se aposenta por idade recebe 70% da média mais 1% por ano de contribuição. Na aposentadoria por tempo de serviço, recebe 100% se optar pela Fórmula 86/96 Quem optar por aposentar-se mais cedo, terá a média reduzida pelo fator previdenciário (a redução depende da idade do segurado).

Mas a redução no valor do benefício não para aí. A PEC 06 altera a forma como a média das contribuições é calculada e, com isso, abocanha mais uma parte das contribuições dos trabalhadores.

Atualmente, para calcular a média são usadas os 80% maiores salários de contribuição de julho de 1994 em diante. Os 20% menores salários são excluídos para evitar uma distorção entre as contribuições que o trabalhador fez e o valor que ele receberá. A proposta determina que, para o cálculo da média, sejam consideradas todas as contribuições a partir de julho de 1994, o que reduzirá o valor sobre o qual a aposentadoria e demais benefícios, como auxílio-doença, serão calculados.

Veja a diferença no exemplo abaixo que considera um trabalhador que contribuiu sempre pelo teto (hoje, é de R$ 5.839,45):




Aumento das contribuições previdenciárias

Salários superiores a R$ 2mil terão aumento de alíquota de 9% ou 11% para 12% e 14%. Quem ganha um salário mínimo terá a alíquota reduzida de 8% para 7,5%, ou seja, 0,5%.

Em compensação, quem ganha R$ 2.100,00 passa a contribuir com 12% contra os atuais 9%, ou seja, vai pagar 3% a mais todos os meses!

Afinal, para o governo esse trabalhador só não é mais privilegiado do que aquele que recebe R$ 3.000,00, que terá o desconto aumentado de 11% para 14%, o que indica claramente uma tentativa de transferir a responsabilidade pelo custeio do sistema.

A proposta prevê desconto progressivo, mas isso dependerá de lei posterior.

Tabela de contribuição mensal a partir de 1º de janeiro de 2019
Tabela atual (jul/19) Proposta da PEC 06/2019
Até R$ 1.751,81 = 8% Até 1 salário mínimo = 7,5%
R$ 1.751,82 a R$ 2.919,72 = 9% + 1 SM a R$ 2.000,00 = 9%
R$ 2.919,73 a R$ 5.839,45 = 11% R$ 2.000,01 a R$ 3.000,00 = 12%
>- - - - - - - - - - - R$ 3.000,01 ao limite do salário de contribuição = 14%
todas as notícias
|17.07.19 - 3ª Oficina de preparo vocal será realizada em 27 de julho no SinproSP
|16.07.19 - Sua contribuição previdenciária vai aumentar
|15.07.19 - Laureate deve explicar demissões e negociar com o SinproSP
|13.07.19 - Quantos anos você vai trabalhar a mais?
|12.07.19 - Nova forma de cálculo reduz valor das aposentadorias, mesmo para as mulheres

Atualize seus dados no SinproSP
Logo Twitter Logo SoundCloud Logo YouTube Logo Facebook
Plano de saúde para professores
Cadastre-se e fique por dentro de tudo o que acontece no SINPRO-SP.
 
Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Websindical - Sistema de recolhimentos
Baixe o APP na Google Play Baixe o APP na Apple Store