SinproSP

Apoiador do ‘Escola sem partido’ é nomeado e exonerado em menos de 24 horas

Atualizada em 14/07/2016 15:47

O economista e apoiador do projeto Escola Sem Partido, Adolfo Sachsida, foi, em menos de um dia, nomeado e exonerado para cargo de assessor especial do Ministro da Educação, Mendonça Filho. O desligamento ocorreu após jornais exporem as publicações inflamadas de Sachsida a favor do movimento que prevê cadeia e mordaça para os professores.

Em sua página no Facebook, Sachsida se define como "pró vida, propriedade privada, conservadorismo moral e liberdade econômica". É comum encontrar publicações do economista em apoio ao projeto Escola Sem Partido e até mesmo ao deputado Jair Bolsonaro.

Já em um dos vídeos no seu canal do YouTube, Sachsida questiona a “doutrinação ideológica feita por professores”. No mesmo vídeo, durante um debate com outros apoiadores do projeto Escola Sem Partido, ainda tem coragem de dizer “A esquerda quer doutrinar os nossos alunos. O professor de português, ao invés de dar aula de português, fica falando que tal partido é bom, tal partido é ruim. (...) Mas eles falam que tudo tem ideologia. Como se o aluno fosse obrigado a ser doutrinado desde pequeno".

Em nota oficial, o MEC explica que a ida o objetivo da ida de Sachsida para a pasta era de “analisar o impacto da macroenonomia no financiamento de políticas públicas”, porém, após “avaliação conjunta” ficou decidido que não seria mais necessária atal colaboração e as atribuições seriam delegadas à Subsecretaria de Orçamento e Planejamento. Logo, de acordo com o MEC, seu desligamento não teve motivação política ou ideológica.

Mendonça Filho e a Escola Sem Partido

É importante lembrar que essa não foi a primeira vez que o Ministro da Educação, Mendonça Filho, se aproxima de apoiadores do Escola Sem Partido. Em maio o Ministro recebeu o ator Alexandre Frota e o fundador do Revoltados Online, Marcello Reis.

Segundo o vídeo divulgado pelo próprio Reis, durante a reunião ele e Frota entregaram ao Ministro um documento com propostas para a Educação Nacional e discutiram o movimento da Escola Sem Partido.