Escola Sem Partido

Filme “Escola Sem Sentido” traz reflexões sobre censura contra professores

Atualizada em 04/12/2019 16:33

A história pode parecer familiar a muita gente: Chicão, um professor de História de escola particular e apaixonado pela profissão, tem sua vida mudada quando uma de suas aulas é filmada por uma aluna. A estudante mostra o vídeo aos pais e aí começa a paranoia de uma suposta “doutrinação ideológica”. Os desdobramentos vão adquirindo proporções gigantescas.

Este é o argumento do curta-metragem “Escola Sem Sentido”, que acaba de ser premiado no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro em três categorias: melhor curta-metragem pelo júri oficial e pelo júri popular e melhor ator - Wellington Abreu. O filme também recebeu o troféu Saruê, concedido pelo jornal Correio Braziliense.

Com roteiro e direção de Thiago Foresti, o filme procura fazer uma reflexão sobre o projeto Escola Sem Partido e as suas consequências para a Educação e toda a sociedade. A perseguição infundada a professores afeta a sua motivação, induz a autocensura e limita o debate na sala de aula. “Em nome de evitar o que chamam de ‘doutrinação ideológica’ nas escolas, pode-se criar ambientes sem discussão e, portanto, sem sentido”, defende a equipe responsável pelo filme”.

 

Projeto colaborativo - contribua e assista ao filme

O curta “Escola Sem Sentido” é uma produção independente e colaborativa. Foi realizado por meio de trabalho voluntário da equipe e contribuições via crownfounding.

O projeto continua com uma campanha de financiamento coletivo, com contribuições a partir de R$ 10,00 que dá direito de acesso digital ao filme, entre outros brindes. Parte do valor arrecadado será reinvestido na próxima produção que também tratará da liberdade na sala de aula.

Campanha “Escola Sem Sentido- depoimentos”

O projeto Escola Sem Sentido está recolhendo depoimentos de professores que passaram por situações de perseguições, sem a necessidade de identificação. Alguns depoimentos foram transformados em vídeo (assista abaixo)

Todas essas iniciativas são importantes porque dão visibilidade e denunciam as perseguições e intimidações contra professores. São, por isso, uma forma de resistência contra a violência do Escola Sem Partido.