SinproSP

Reflexões marcam as comemorações do Dia do Professor

Atualizada em 20/10/2004 15:08

As transformações ocorridas na educação, nas relações de trabalho e os desafios de luta da categoria foram os grandes temas de reflexão do simpósio que o SINPRO-SP realizou em sua sede nos dias 14 e 15 de outubro, em comemoração do Dia do Professor. Foram ao todo quatro palestras temáticas com as presenças dos professores Marcio Pochmann (Secretário de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade de São Paulo) André Luiz Figueiredo Lázaro (MEC), Emilia Cipriano (consultora educacional) e Luiz Antonio Barbagli (presidente do SINPRO-SP).

Falou-se sobre os avanços registrados na educação infantil. Emília Cipriano apresentou dados, relatou experiências e lembrou que até pouco tempo atrás a educação das crianças estava no âmbito da assistência social, sem o olhar do educador. A consultora educacional apontou também a falta da noção de conjunto, de um olhar mais global do processo educacional e também a falta de comunicação entre as séries entre os professores dos diferentes segmentos do ensino básico. Ainda no tema educação, André Luiz de Figueiredo Lázaro apresentou os principais pontos da proposta de reforma universitária que vem sendo elaborada. Segundo o representante do MEC, há hoje uma preocupação do governo em regular o sistema privado de educação superior, uma vez que o setor público volta a ser prioridade.

Marcio Pochamnn fez uma grande reflexão sobre o processo de precarização das relações de trabalho ocorrida no Brasil por conta dos mais de 20 anos de paralisia de crescimento econômico. Na avaliação do secretário municipal e professor da Unicamp, essa estagnação vem gerando hoje no país um “sistema asiático”, com baixos salários e situação de trabalho precária. Dentro desse contexto, ele deixou a indagação: será possível fazer uma reforma trabalhista e sindical capaz de recompor as perdas e ser inclusiva?

Depois de fazer um balanço das mudanças e investimentos feitos pelo SINPRO-SP na última década, Luiz Antonio Barbagli, apontou a necessidade de reflexão sobre o papel do professor nos próximos anos, nas transformações que a profissão está sofrendo e que ainda sofrerá. Para ele, este é o momento de repensar várias questões - tais como a formação dos docentes, as tecnologias no processo de ensino e aprendizagem - para que se possa enfrentar os novos desafios da categoria.

Na próxima semana, os professores poderão acompanhar a cobertura completa de todas as palestras aqui no site. Fique de olho!