Campanha salarial

Patrões do ensino superior propōem 8% de reajuste. E ainda querem parcelar!

Atualizada em 09/03/2016 23:40

Esqueçam a surpreendente expansão do ensino superior privado. Esqueçam os enormes recursos públicos - Fies, Prouni - que continuam a irrigar as instituiçōes de ensino.

Nada disso foi suficiente para impedir que o Semesp, sindicato das mantenedoras do ensino superior, apresentasse uma vergonhosa oferta na rodada de negociação de 07/03, segunda-feira.

O Semesp propôs um reajuste de 8% , índice insuficiente para repor o poder de compra dos salários (a inflação desde a última data base, em março/2015, foi de 10,57%).

Como se não bastasse, os representantes patronais conseguiram piorar ainda mais a oferta ao propor o parcelamento do reajuste em duas vezes: 5,5% em março e 2,5% - acreditem - em outubro.

A reunião foi encerrada em clima de indignação. O Sinpro-SP, junto com a Fepesp e demais sindicatos que atuam em conjunto na Campanha Salarial exigiram maior seriedade nas próximas rodadas de negociações. Uma nova reunião está marcada para 14/03.

Assembleia

O Sinpro-SP está convocando todos os professores do ensino superior para assembleia no sindicato, dia 19/03, sábado, a partir das 9h.

Até lá as negociações devem continuar e espera-se que exista uma proposta razoável para ser avaliada pela categoria. Caso contrário, os professores deverão discutir outras formas de luta, inclusive greve, e decidir se autorizam ou não a instauração de dissídio coletivo na Justiça do Trabalho.

Com informaçōes da Fepesp