SinproSP

É hora de olhar para os professores

Atualizada em 12/11/2004 16:40
Muitos são os desafios para atingir as metas da Educação Para Todos até 2015

Buscar qualidade na educação. Essa foi tônica da 4ª Reunião do Grupo de Alto Nível de Educação Para Todos realizada entre os dias 8 e 10 de novembro, em Brasília, que reuniu chefes de Estado, ministros, dirigentes de organismos internacionais, dirigentes de organizações não-governamentais e funcionários de alto nível de agências internacionais, com o objetivo de avaliar o que de fato as nações estão fazendo para cumprir os compromissos assumidos na Cúpula Mundial de Educação de Dakar, em 2000. O encontro revelou que será preciso fazer investimentos significativos em qualidade para alcançar as metas de Educação Para Todos até 2015.

O documento final aprovado na reunião reconhece a necessidade de olhar para o professor com mais atenção, de valorizá-lo. A Carta de Brasília destaca que devem ser compromissos dos governos melhorar o status, as condições de trabalho, as perspectivas de carreira e as oportunidades de desenvolvimento profissional para os professores e desenvolver estruturas salariais apropriadas de forma atrair e reter um grupo de educadores. Também assegurar que as habilidades dos professores atendam aos padrões nacionais e, para tanto, estabelecer apoio para a capacitação inicial e em serviço, melhorar a proporção professor/aluno para melhorar a qualidade entre outras questões.

Relatório da UNESCO
Por ocasião do encontro, a UNESCO divulgou o relatório de monitoramento Educação Para Todos 2005 que aponta a interdependência do acesso e qualidade: os dois são necessidades e direitos inseparáveis, devendo ser simultaneamente abordados e melhorados. De acordo com o relatório, o Brasil fica na 72ª posição do Índice de Desenvolvimento do EFA (Education For All, Educação Para Todos em inglês) no universo de 160 países, bem atrás de seus vizinhos como Argentina (23ª) e Chile (38ª). No item universalização do acesso à educação primária, o país teve um salto, ficando na 32ª posição, mas mostra as mazelas no ensino quando o assunto é permanência na escola: ficou na 87ª posição (permanência de alunos até a 5ª série). O documento da UNESCO explica ainda que a elevação dos níveis de qualidade, bem como a ampliação do acesso, são resultados diretos da existência, por parte dos governos, de um real compromisso político e a aplicação de programas de investimento bem direcionados. Para ler a íntegra do relatório, acesse o site oficial aqui (em inglês, francês e espanhol).

As metas
Entre os compromissos assumidos pelos mais de 160 países na Cúpula de Dakar, entre eles o Brasil estão a educação primária universal, expansão do acesso a cuidados e à educação para a primeira infância, oportunidades aprimoradas de aprendizado para jovens e adultos, aumento de 50% em taxas de alfabetização de adultos e igualdade de gênero. Todas essas metas deverão ser alcançadas até 2015.

O próximo encontro do Grupo de Alto Nível de Educação Para Todos acontecerá entre os dias 28 e 30 de novembro do próximo ano, na China, com o tema alfabetização. Resta saber se até lá os compromissos assumidos em Brasília sairão do papel. Fica o desafio.