Campanha salarial

Assembleia do Sesi/Senai aceita proposta do TRT 

Atualizada em 06/08/2016 11:25

Reunidos em assembleia no Sinpro-SP, dia 06/08, professores do Sesi e do Senai decidiram aceitar, por unanimidade, a proposta feita pelo desembargador Wilson Fernandes, do Tribunal Regional do Trabalho.

Apresentada na audiência de conciliação realizada dia 19/07, em São Paulo, a proposta prevê reajuste dos salários, vale-alimentação e vale-refeição em 11,08%, que corresponde à inflação integral, medida pelo INPC-Ibge, e uma cláusula de proteção em caso de assédio moral.

Nos salários, o desembargador propôs pagamento em duas parcelas, em março e julho. No vale-refeição e vale-alimentação, o reajuste é integral, retroativo a março.

Um avanço muito importante trata do assédio moral. Atendendo a uma das reivindicações dos sindicatos, o desembargador incluiu na proposta a garantia de que, em caso de denúncia de assédio moral, o professor não sofrerá nenhuma retaliação. O Sindicato deve ser notificado do resultado das averiguações.

Uma nova audiência no Tribunal Regional do Trabalho está marcada para o dia 16/08. Nela, o Sesi e o Senai devem informar se aceitam ou não a proposta. Se for recusada, a ação continua e vai a julgamento.

Salários

A Campanha Salarial começou em fevereiro e deu-se numa conjuntura muito desfavorável aos trabalhadores. Diante das dificuldades, a categoria decidiu limitar a pauta de reivindicações à reposição integral da inflação desde março e à manutenção dos direitos coletivos.

A proposta aceita repõe a inflação parcialmente, de março a junho, e integralmente a partir de julho. Por este motivo, a assembleia deu um voto de confiança para que, até a próxima audiência de conciliação, se faça mais uma tentativa para reduzir a diferença entre a inflação integral e o valor de 5,54% de março a junho.

Vitória

Durante os seis meses da campanha salarial, os professores e os sindicatos envolvidos enfrentaram todo tipo de desafio. Desde o inicio, o Sesi e o Senai se mostraram inflexíveis. Nas escolas, foi feito um trabalho de contra-informação para pressionar os professores e tentaram dividir a categoria. O recurso à Justiça do Trabalho foi a última alternativa para superar a intrangência patronal.

Durante todo esse tempo, os professores se mantiveram firmes e não cederam à pressão do Sesi e Senai. A Campanha Salarial 2016 se encerra agora com um saldo positivo e prepara as bases para a Campanha de 2017.