Campanha salarial ensino superior

Mais um impasse sobre reajuste faz negociação recuar

Atualizada em 19/08/2020 23:21

Novo recuo patronal nas complicadas negociações salariais deste ano. Na quarta-feira, dia 19, a comissão que representa mantenedores rejeitou integralmente proposta apresentada pelos sindicatos, sem que ela pudesse ser debatida de forma mais detalhada. Pior ainda: a comissão também não aceita a possibilidade de mediação ou arbitragem para por fim ao impasse.

Os representantes patronais insistem em substituir os reajustes de 2020 e 2021 por três abonos de 15% cada, insuficientes para recompor a defasagem salarial dos dois anos.

A comissão de sindicatos, coordenada pela Fepesp, por sua vez, reconhece a excepcionalidade criada pela pandemia e por isso, defende o estabelecimento de um cronograma para recompor, de forma gradual e previsivel, o poder de compra dos salários.

Recursos os patrões têm. As mensalidades foram reajustadas no início do ano e, apesar da pandemia, as instituições continuaram funcionando durante todo esse tempo, com os professores trabalhando muito mais do que no sistema de aulas presenciais. É inaceitável que nada disso seja reconhecido pelas instituições de ensino superior privado.

A reunião foi encerrada sem que uma nova rodada fosse agendada.

Com informações da Fepesp