Campanha salarial ensino superior

Sindicatos se reúnem para discutir contraproposta patronal

Atualizada em 09/09/2020 16:07

O SinproSP e demais sindicatos que integram a base da Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp) devem reunir-se na quinta-feira para discutir a contraproposta patronal para renovação da Convenção Coletiva por dois anos.

As negociações começaram em fevereiro, mas acabaram atropeladas pela pandemia. Nesse cenário muito mais complexo, de graves repercussões para os trabalhadores, em especial para os professores do ensino superior,manter a proteção garantida pela Convenção Coletiva tornou-se o maior desafio.

Passados sete meses, existe a possibilidade de acordo por dois anoque poderão garantir até 28 de fevereiro direitos fundamentais como garantia semestral de salários, bolsas de estudo, plano de saúde, estabilidade a 24 meses da aposentadoria, recesso de trinta dias. São ao todo cinquenta e seis cláusulas que normatizam as relações de trabalho e protegem a categoria contra a flexibilização das leis trabalhistas.

A questão salarial consumiu boa parte das negociações nos últimos meses e tornou-se o grande entrave para a assinatura da Convenção. Desde o início de setembro, contudo, as conversas estão confluindo para uma proposta ainda não finalizada.

Com a Campanha Salarial é realizada em nível estadual, os sindicatos devem discutir os resultados da rodada de negociação de hoje, 09 de setembro. Assim que a proposta for concluída, o SinproSP convocará professoras e professores do ensino superior para deliberação.

Com informações da Fepesp