Ensino superior

Unicsul recusa proposta do Tribunal para indenizar professores demitidos

Atualizada em 24/09/2020 15:38

Em audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho, nesta quinta-feira, dia 24, o desembargador Paulo Kim Barbosa propôs que a Unicsul pague aos professores demitidos uma indenização adicional correspondente a um salário integral. A proposta foi recusada pelos representantes da Mantenedora e o processo irá a julgamento.

Essa foi a segunda audiência de conciliação, desde que o SinproSP recorreu à Justiça contra a demissão de 35% do corpo docente da Unicsul no final de junho. A primeira audiência, em 30/07, também foi encerrada sem acordo.

 “A Unicsul não fez proposta, esperou um mês para enviar uma manifestação que não atende nem a metade dos professores atingidos e ainda o fez no prazo limite, sem tempo de negociação. Houve má-fé da instituição”, afirmou o diretor do SinproSP, Celso Napolitano, ao confrontar os representantes da Mantenedora. Ele estava se referindo à oferta de três meses de plano de saúde, já expirada, e à manutenção de bolsa de estudo na educação básica, que atenderia a apenas um dos professores demitidos.

Na audiência de hoje, depois de ter recusado a proposta do Tribunal, a advogada patronal ofereceu três meses de vale-alimentação aos professores que não receberam nenhum benefício.

A indenização adicional sugerida pelo desembargador Paulo Kim foi aceita pelo SinproSP.  Com a recusa da Unicsul, entretanto, a ação seguirá para julgamento, em data ainda a ser marcada.