ASSEMBLEIA

Campanha salarial e luta contra aulas presenciais pautaram assembleia no dia 22

Atualizada em 24/05/2021 12:25

Reunidos por meio virtual no último sábado, dia 22 de maio, professoras e professores que lecionam na educação básica discutiram a campanha salarial e o movimento da categoria contra as aulas presenciais. A categoria também decidiu por realizar nova assembleia no dia 12 de junho. 

O presidente do SinpoSP, Luiz Antonio Barbagli, falou da instauração de dissídio coletivo em 19 de maio, como o SinproSP já havia informado no mesmo dia. Segundo Barbagli, o Tribunal deu prazo de quinze dias para manifestação das entidades patronais (Sieeesp e Feeesp). Só então, poderá ser convocada uma primeira audiência de conciliação. Também fazem parte da ação de dissídio a Fepesp e outros sindicatos ligados à Federação. 

Contra o retorno inseguro

A luta dos professores pela vida e contra o retorno inseguro das aulas presenciais também foi pauta da Assembleia. Na avaliação da diretoria do SinproSP, o movimento está sendo bem sucedido e tem incomodados as escolas. 

Mesmo com todas as dificuldades, o SinproSP tem conseguido denunciar as condições precárias de retorno em muitas escolas. Entre outas estratégias de luta, o Sindicato realizou debates e aulas públicas com grandes profissionais na área da Saúde. Um dos exemplos mencionado na Assembleia, foi o encontro dos médicos sanitaristas Carlos Neder e Jorge Kayano promovido pelo Sindicato no dia 22 de abril e disponivel no YouTube.

Essa é uma luta que não pode arrefecer agora, diante do risco de uma terceira onda e da possibilidade de nova flexibilização, com a ampliação do limite de alunos no presencial, que o governo promete anunciar na próxima quarta-feira, 26.

A próxima assembleia também será virtual, pela plataforma Zoom, no dia 12 de junho.