Ensino superior

Reportagem mostra as origens da educação a distância no Brasil

Atualizada em 27/09/2021 18:32

Um interessante artigo assinado pela jornalista  Beth Koike e publicado no jornal Valor Econômico, em 23 de setembro, conta como os estados de Santa Catarina e Paraná se transformaram nos maiores berços do ensino a distância em seus primórdios,  em meados dos anos 90.Segundo a reportagem , 50% dos alunos em cursos a distância no país estão matriculados em seis istituições que nasceram em um desses dois estados.

E a história começa na Universidade Federal de Santa Catarina, mas precisamente no curso de engenharia de produção. Em 1996, o departamento criou um programa de mestrado a distância para atender funcionários da Siemens. Graças ao sucesso da iniciativa e do aumento da aumenda, houve um aporte considerável de recursos que levou à expansão do ensino a distância também em graduação de pedagogia e outras áreas.

No Paraná, a necessidade de formar professores em nível superior em pouco tempo  levou o governo do estado. na gestão Jaime Lerner, a criar a Universidade Eletrônica do Paraná, com o modelo desenvolvido pela UFSC. O projeto acabou com a mudança de governo, mas conseguiu formar 4 mil professores.

Também na UFCS, a experiência também foi encerrada pela impossibilidade de adequação da Universidade ao crescimento da demanda, com qualidade.

E é com a saída do poder público que se cria espaço para o surgimento de institituições privadas, usando, inclusive, muitos profissionais que trabalham na Universidade. Desse modo, é possível dizer que o setor público acabou contribuindo tanto com o desenvolvimento da tecnologia como com a mão de obra de alta especialização.

De lá pra cá, muita coisa mudou. O mercado potencial estimulou a aquisição das empresas por grandes grupos de investimento que hoje controlam grande parte das instituições.

A reportagem Por que o Sul se tornou o berço do ensino a distância está disponível para os assinantes na página do Valor Econômico.