Movimento sindical

65% da negociações concluídas em outubro ficam abaixo da inflação, aponta Dieese

Atualizada em 22/11/2021 18:13

Atualizado em 23/11/2021, às 21h22

A mais recente edição do boletim “De Olho nas Negociações” mostrou que 65% das convenções e acordos coletivos assinados em outubro tiveram reajustes abaixo do INPC-Ibge. O estudo, publicado em novembro, tem como base os acordos depositados no Sistema Mediador, do Ministério do Trabalho.

Reajustes menores e parcelados

Segundo o levantamento, apenas 13,8% das negociações resultaram em aumento real e 21% empataram com a inflação. O impacto pode ser melhor analisado quando se compara os resultados de outubro de 2020 e de outubro de 2021. Há um ano, quase 70% das negociações tinham alcançado reajustes pela inflação ou com aumento real e hoje, esse percentual caiu à metade, 35%.

Os acordos com ganho real cresceram em relação a setembro (eram 8,6% e agora são 13,8%), mas estão muito abaixo dos 33,3% registrados em outubro do ano passado.

Além disso, aumentou o número de reajustes parcelados, como se vê no gráfico abaixo:

Inflação alta

Os técnicos do Dieese atribuem esse quadro de dificuldades à escalada da inflação. Quanto mais elevado é o custo de vida, mais difícil é repor o poder de compra dos salários. Veja no gráfico abaixo quanto foi necessário obter de reajuste, em cada data base, para recompor os salários corroídos pela inflação..

Junte-se a isso, a alta de taxa de desemprego e a estagnação econômica que, em qualquer lugar do mundo, colocam os trabalhadores na defensiva.

E nada indica uma melhora no país a médio prazo. O mercado financeiro elevou a estimativa de inflação em 2021 para dois dígitos e reduziu a previsão do PIB para 2022.

Reajuste dos professores já está garantido

Para as professoras e professores da educação básica, a inflação acumulada em apenas oito meses (de nossa última data base, março, a outubro de 2021) já chegou a 7,23% e, até fevereiro de 2022, deve superar 11%.  Contudo, as professoras e professores da educação básica começam o ano com uma vantagem muito importante: o reajuste salarial, pela inflação, já está garantido em março de 2022 por conta da aprovação da nova convenção coletiva pela assembleia dos professores realizada em 20/11.