Coronavírus

Trabalho presencial: escolas continuam proibidas de convocar professores

Atualizada em 09/04/2021 18:05

Em coletiva realizada hoje, 09 de abril, o governo estadual comunicou a suspensão da fase emergencial entre os dias 12 e 18 de abril. Assim, todo o estado de São Paulo voltou para a fase vermelha, o que permite às escolas abrirem para aulas presenciais, com limite de até 35% dos alunos matriculados e sem a obrigatoriedade de presença dos alunos. Na coletiva, Rossieli seguiu falando bobagens, ignorando o alarmante número de mortes no país e, principalmente, no estado de São Paulo.

Ao lado de Dimas Covas, que não lhe dirigiu o olhar uma única vez, Rossieli cometeu atos falhos, revelando o que todo mundo já sabe: grande parte das escolas estaduais ainda não voltou às atividades presenciais, apesar de sua insistência em afirmar que há atividades presenciais. "As escolas reabrem dia 14, na verdade, continuam abertas, mas vão trazer um outro público, com aulas presenciais propriamente ditas", gaguejou o secretário da Educação.

O retorno à fase vermelha, contudo, não significa que os professores voltem ao trabalho presencial.Continua valendo a sentença do Tribunal de Justiça que proíbe as escolas de convocarem os docentes, ou seja, o trabalho tem que perrmanecer remoto.

A decisão da Justiça foi obtida a partir de uma ação conjunta da Fepesp (pelos professores das escolas particulares) , Apeoesp Apeoesp, Centro do Professorado Paulista e Afuse (pelos professores e demais trabalhadores da Educação pública). Em janeiro, as entidades haviam conseguido uma liminar e, em março, houve o julgamento, com sentença favorável aos professores.

Além disso, a categoria decidiu, em assembleia no dia 06 de março, iniciar greve das atividades presenciais a partir de 11 de março. A decisão foi reafirmada nas assembleias posteriores e voltará a ser discutida no próximo sábado,dia 10 de abril. Esse é um motivo a mais para que contar com a participação de todas as professoras e todos os professoes da educação básica.