SinproSP

SinproSP registra boletim de ocorrência contra e-mails falsos

Atualizada em 08/09/2021 17:30

Por meio de seu advogado, Ricardo Gebrim, o SinproSP registrou boletim de ocorrência contra o envio de emails falsos, como se fossem do SinproSP, na noite de 3 de setembro. Segundo Gebrim, o B.O. entra no sistema geral e, após triagem, é encaminhado a uma delegacia específica. No caso, Delegacia de Crimes Virtuais.

O e-mail falso convocava os professores para a Paulista, no dia 07 de setembro. A diretoria do Sindicato denunciou de imediato o ato criminoso nas redes sociais e por mensagem de whatsapp: “A diretoria do SinproSP defende o estado democrático de direito e jamais convocaria a categoria para uma manifestação golpista que atenta contra a democracia e os valores mais elevados da dignidade humana”, citava o primeiro comunicado.

Desde a noite de sexta-feira, o pessoal da área de tecnologia da informação do SinproSP tem trabalhado incansavelmente. Tão logo os emails começaram a ser enviados, foram adotadas medidas adicionais de proteção e teve início uma investigação bastante complexa.

Até o momento não é possível garantir que a lista de emails, que era aberta, faça parte do banco de dados do SinproSP. A resposta a essa questão e outras explicações sobre o ocorrido exigem um trabalho minucioso de cruzamento de dados que ainda está sendo realizado. A categoria será informada com a transparência, rigor e a urgência que a situação exige.

Sigilo e proteção dos dados

Alguns professores escreveram ao SinproSP perguntando sobre procedimentos exigidos pela Lei Geral de Proteção de Dados (L. 13.709/2018). Antes mesmo da vigência da lei, o Sindicato sempre adotou medidas rigorosas de segurança e nunca compartilhou nenhum dado dos professores. Todos os anos, uma parte do orçamento é destinado à manutenção do sistema e aquisição dos melhores e mais atualizados softwares de segurança da informação. 

Por adotar medidas rigorosas para manter o sistema sempre atualizado e protegido, a diretoria do Sindicato não medirá esforços para contribuir com a polícia na apuração dos fatos e na responsabilização dos autores desse crime cibernético.

Leia ainda:

Editorial: Não temos medo de fascistas (04/09/2021)

Nosso afeto e reconhecimento às professoras e aos professores (06/09/2021)